Cuide da cintura para cuidar do coração

mulher-perde-barriga-600

Até alguns anos atrás, a circunferência abdominal aumentada, a chamada barriguinha, era apenas uma questão de estética. Estudos de risco cardiovascular passaram a apontar a circunferência abdominal como algo além da beleza. A medida da circunferência abdominal aumentada é um fator de risco para infarto, AVC, pressão alta e diabetes tão importante como a falta de atividades físicas, aumento do colesterol e triglicérides.

Para diminuir a chance de sofrer um infarto, não basta brigar com a balança, isto é, perder peso. É preciso perder alguns centímetros da circunferência abdominal.

Veja na tabela abaixo a distribuição na população e como a circunferência abdominal aumentada acentua a sua chance de problemas cardíacos

Mas o que tem a ver “uma certa gordura” empurrando o umbigo  e o nosso coração? Primeiro, é um achado estatístico de pesquisas em populações mundiais, com reprodução dos resultados em praticamente todas as raças, ambientes e hábitos.

Algumas pesquisas apontam a relação da cintura aumentada com um certo grau de inflamação nas artérias, que é mantido ou acelerado, por substâncias produzidas em grandes quantidades na gordura que fica entre as vísceras, na cavidade abdominal. São chamadas, algumas delas, de interleucinas, e são muito importantes em nossas atividades de defesa contra infecções e tumores. Essas substâncias circulam pelo sangue e podem atuar em todos os tecidos do corpo humano.

Nas artérias, que levam o sangue para os órgãos, como cérebro e coração, seu nível alto acelera o processo de envelhecimento do vaso e acentua os efeitos do colesterol como provocador de infarto. Uma das formas de medir essa inflamação no sangue é dosar a proteína C-Reativa (PCR). Sabe-se que a circunferência abdominal aumentada está relacionada a maiores níveis de PCR, e maiores níveis de PCR aumentam a chance de infarto.

Uma das maneiras mais eficientes de diminuir a circunferência abdominal é através da dieta e do exercício. Consulte seu médico, peça para ele medir sua circunferência abdominal e inicie já a redução!

 tabela-risco-cardiovascular

Dr. José Roberto Matos Souza

Cardiologista da UNICAMP  e da Clínica LOEMA – Medicina e Bem-Estar.

Pesquisador do LIMED – Laboratório de Investigação em Metabolismo e Diabetes da UNICAMP.

You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave a Reply