Uso da cafeína

CAFE1

A cafeína é uma metilxantina encontrada em varias plantas como nos grãos de café e cacau, guaraná, folhas de chã e é adicionada a vários medicamentos e refrigerantes.

É um antagonista competitivo dos receptores A1 e A2 da adenosina, encontrados no cérebro, coração, pulmões, vasos periféricos e plaquetas. Os receptores A1 tem uma maior concentração no cérebro e tem fisiologicamente a este nível uma ação neurodepressora por inibirem a liberação de noradrenalina, dopamina, acido gama amino butírico e glutamato. Estes receptores quando ativados pela adenosina também promovem broncoconstrição, redução da força de contração cardíaca, retardo da condução AV e constrição das arteríolas aferentes renais. Ao atuar ativando os receptores A2 a adenosina leva a uma vasodilatação cerebral e periférica.

A cafeína é uma metilxantina e como tal um antagonista competitivo dos receptoresA1 e A2da adenosina. É rapidamente absorvida, atingindo a corrente sanguínea cerca de 45 minutos após sua ingestão. É lipofílica, logo é rapidamente absorvida pelo cérebro e é excretada por via urinária. A sua meia vida no organismo é de cerca de quatro horas ( podendo variar de 2 a 10 horas ). Durante a gravidez a velocidade de metabolização é reduzida e os seus níveis são mantidos durante mais tempo.

Devido a sua ação sobre os receptores A1 e A2 da adenosina,a cafeína leva a uma maior liberação de dopamina, noradrenalina, acido gama amino butírico e glutamato em várias regiões do cerebro, ocasionando um efeito neuroestimulador potenciando o estado de alerta e atenção, assim como retardando o aparecimento da fadiga. Clinicamente o uso agudo da cafeína, em doses altas e em pessoas que não estão habituadas ao seu consumo pode provocar o ‘cafeinismo” ( insônia, tremores, irritabilidade, palpitações, poliúria, etc….).

O consumo da cafeína está relacionado com alterações na pressão arterial, arritimias e outros transtornos da função cardíaca, embora o consumo moderado não esteja relacionado ao aumento de risco de doença cardíaca. Geralmente o consumo excessivo de cafeína estar relacionado ao consumo excessivo de café, que muitas vezes estar associado a outros fatores que influenciam o desenvolvimento de doenças, como: sedentarismo, hábito de fumar, álcool, etc…..

Aos hipertensos recomenda-se um consumo moderado. Alguns estudos realizados nos países escandinavos sugerem que o uso do café fervido e não filtrado estar relacionado com níveis elevados de colesterol total e ldl-colesterol. Algumas publicações também sugerem que o consumo de café pode proteger contra alguns tipos de câncer, como o colo-retal e hepático.

O café tem varias outras substancias além da cafeína, a exemplo do acido clorogenico e da trigonelina, substancias estas que tem ação hipoglicemiante, atuando no metabolismo da glicose, o que leva a um efeito protetor contra o diabetes tipo dois. Parece também que o consumo do café ajuda na manutenção das funções cognitivas ( memoria, humor, atenção e planejamento ) durante o envelhecimento.

Euvaldo Rosa.

You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave a Reply