Viajando com Alzheimer

viajando com alzheimer
Mais uma história de Alzheimer:
“A oportunidade de reunir a família Silva Oliveira era única. Feriadão até terça-feira, 4 dias de folga para todos os filhos irem para Guarujá, com netos, noras e agregados. Surgiu a ideia de levar a matriarca, dona Izabel. Ela bem que precisava de um descanso, uma pausa no cansativo trabalho diuturno de cuidar de seu Agenor, nosso personagem principal.Deu para reparar que o avô é portador de Alzheimer. Já faz 5 anos e está na fase intermediária. Conhece bem os filhos e as noras, mas não sabe mais o nome de nenhum neto. Às vezes, fica difícil segurar sua impaciência de querer tudo para agora e de nunca lembrar que não almoçou ou que não comeu seu lanche. Está sempre com fome. Outro problema: não larga do pé de dona Izabel. E o Guarujá?Continuando a história, é claro que o seu Agenor também iria…Uma semana antes, o rebuliço era geral. Todos falavam no passeio e isso estava deixando seu Agenor mais agitado e ansioso. Até que chegou o sábado de manhã e tudo já estava pronto. Era só descer de São Paulo para o Guarujá e quanto mais cedo melhor, pois o trânsito na estrada ficaria infernal, sem falar na fila da balsa.Na hora de sair, advinha quem não queira ir mais? Agenor!
“Não vou e a Izabel também não vai. Não quero ninguém perto de mim! Cês pode viajar e me deixa quieto!”

Raulino, o filho mais velho, com muito tato e psicologia conseguiu convencer o pai de ir com todos. O argumento: o filho levaria o pai para ver o seu Santos, no centro de treinamento do clube. Lá estaria o Pelé e os craques todos. Convencido, o pai aceita e os carros descem a serra. Praia cheia, sol quente, muita gente, fila pra tudo, carrões com sons de funks ensurdecedores, tudo era previsível e dava pra tolerar e aproveitar o feriadão.

Mas ninguém estava mais aguentando os pedidos insistentes de seu Agenor para voltar para São Paulo. O filho ainda argumentou: “Pai, nós vamos amanhã ver o time do Santos, na Vila Belmiro. Aguenta mais um pouco!” Agenor sossegava umas duas horas e depois, como se não tivesse combinado nada para ver o time do Santos, bradava: “Izabel, vamos embora para casa…”

————————–————————–-
Na fase inicial e no começo da fase intermediária, viajar com idoso portador de Alzheimer pode ser uma situação comum, para a maioria das famílias. À medida que a doença avança, as famílias encontrarão cada vez mais dificuldades em sair de férias ou realizar viagens, até mesmo corriqueiras e rápidas.

Algumas dicas:
- Nunca fale para o a pessoa idosa com Alzheimer sobre o passeio ou a viagem que fará, com muita antecedência. Não a deixe ansiosa e confusa em relação ao dia do evento. Procure falar somente na véspera ou algumas horas antes.

- Nunca faça viagens longas e cansativas. Lembre-se de que sair da rotina da casa pode ser danoso para o idoso portador.

-Esta dica é para a família: nunca pense que viajar com o idoso portador seja realmente férias. Talvez tenha muito mais trabalho e viajar seja até mais cansativo que cuidar em casa. Se a família quiser realmente descansar e passear, considere não levar o idoso junto, deixando-o aos cuidados de outros familiares (todos precisam ajudar!), deixando-o com cuidadores de confiança em sua própria casa ou deixando-o, pelo tempo da viagem, em uma casa de repouso de bom padrão.

-Tenha sempre em mente um plano B. Se a pessoa idosa ficar confusa e agitada, durante o passeio ou viagem, cancele o plano inicial e volte com ela para casa. Isso pode ser feito pelo cuidador familiar principal, por outro familiar escalado para tal função ou pelo cuidador responsável pelo idoso.

-Levar um cuidador profissional do mesmo sexo que a pessoa idosa pode ser de grande ajuda, principalmente se os familiares forem só do sexo oposto. Exemplo: filhas que levam o pai na viagem. Imaginem se o idoso precisar ir ao banheiro de um avião, de um ônibus ou um banheiro público?

-Nunca se esquecer de levar a receita com todos os medicamentos, ter sempre o cartão de saúde do convênio e, de antemão, saber os locais de serviços médicos de emergência, caso a pessoa idosa necessite.

Dr. Márcio Borges – Médico Geriatra
Editor de conteúdo – Facebook Cuidar de Idosos

You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave a Reply